terça-feira, 13 de novembro de 2007

Noites longas

O conceito romântico do Outono cada vez o sinto mais distante de mim, é verdade que as folha vão caindo e a mesclação do verde com o amarelo e castanho com laivos de vermelho por dentro, me fazem sentir uma certa angustia interior e exterior.
Temos no Outono, isso é verdade, uma série de efemérides que nos fazem reflectir, ou deveriam fazê-lo, na nossa existência neste Portugal Europeu, e só vou recordar os feriados:
- 5 de Outubro, a implantação da Républica.
- 1 de Novembro, dia de todos os Santos e de venerar os mortos.
- 1 de Dezembro, dia da Restauração da independência Nacional face ao dominio Espanhol.
- 8 de Dezembro, dia da Imaculada Conceição Padroeira de Portugal.
Mas continuam a acontecer muitas outras coisas neste Outono seco de castanha magra, como o magro orçamento para muitos, mas gordo para poucos, que se discute no Parlamento, as discrepâncias aeoroportuárias, os fogos, as Casa Pia, as crianças roubadas, as por roubar, os vários crimes dourados, etc...
Ah, e a Presidência Europeia.
Com muito sol no curto dia, porque as noite são longas, tão longas que não sei se o sol raiará nas nossas almas tal a escuridão que se vislumbra.